Compartilhar

Djamila Ribeiro é condecorada pelo Prince Claus Awards 2019

Djamila Ribeiro é condecorada pelo Prince Claus Awards 2019

No dia quatro de setembro, a ativista e filósofa Djamila Ribeiro foi anunciada como uma das contempladas pelo Prince Claus Awards 2019. O prêmio do fundo holandês de nome homônimo condecora desde 1997 nomes que inovam na cultura e causam impacto positivo em suas comunidades. 

Djamila é autora de “O que é lugar de fala?”, pela Letrameto, e “Quem tem medo do feminismo negro?”, pela Companhia das Letras, uma das editoras que fazem parte do Brazilian Publishers – projeto de internacionalização de conteúdo editorial brasileiro realizado por meio de uma parceria entre a Câmara Brasileira do Livro (CBL) e a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil).

O júri reconheceu o trabalho da escritora pelo “profundo trabalho intelectual e conceitual sobre sistemas de opressão”. Além de sua capacidade em: “articular assuntos fortemente politizados com calma e lucidez, tornando-os acessíveis e possibilitando o diálogo e o debate crítico, não só nos círculos acadêmicos e ativistas, mas também nas redes sociais”.

Neste ano, o prêmio foi concedido exclusivamente a mulheres. Além de Djamila, que ganhou na categoria Filosofia, outras cinco mulheres foram premiadas com o valor de EUR 100 mil. A cerimônia de entrega do prêmio está prevista para acontecer no dia três de dezembro, em Amsterdã. 

Além de Djamila, outros dois escritores brasileiros já foram premiados pelo Prince Claus Awards: Ana Maria Machado e o poeta Ferreira Gullar.

 

Sobre o Brazilian Publishers

Criado em 2008, o Brazilian Publishers é um projeto setorial de fomento às exportações de conteúdo editorial brasileiro, resultado da parceria entre a Câmara Brasileira do Livro (CBL) e a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil). A iniciativa tem como propósito promover o setor editorial brasileiro no mercado global de maneira orientada e articulada, contribuindo para a profissionalização das editoras.

 

voltar