Compartilhar

Editora Jaguatirica representa o Brasil em conferência editorial na China

Editora Jaguatirica representa o Brasil em conferência editorial na China

Pelo segundo ano consecutivo, a editora Jaguatirica foi até a China para representar o Brasil durante a International Press and Publishing Cooperation Conference. A casa editorial é participante do Brazilian Publishers, projeto setorial realizado por meio de uma parceria da Câmara Brasileira do Livro (CBL) com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil).

O evento ocorreu no final do ano passado, entre os dias 18 e 19 de dezembro, quando reuniu editores de diversos países do mundo na cidade de Tai’An, na China. O local foi escolhido como pólo editorial e gráfico e, por isso, sediou a conferência. O objetivo do encontro foi exibir um panorama editorial atualizado dos representantes participantes.

A editora na Jaguatirica e diretora da Liga Brasileira de Editores (Libre), Paula Cajaty, foi a brasileira que compareceu ao evento. “Eu tive muita honra e gratidão por ter sido convidada para falar em nome do mercado editorial brasileiro e fui uma entre os 15 convidados internacionais”, comenta. Paula se juntou a um time de editores de países como a Rússia, Alemanha, Israel, Japão, Paquistão, Índia, Hong Kong, Eslováquia, Portugal e dezenas de profissionais de todas as regiões da China.

A representante brasileira fez uma apresentação buscando apontar os desafios e as oportunidades do mercado editorial do Brasil e ressaltar as diversas possibilidades de interação comercial, cultural, técnica, acadêmica e científica entre Brasil e China – integrantes do BRICS. 

Paula explica que a troca cultural entre os dois países ainda é baixa. “A China já identificou essa carência, tendo estabelecido metas de aproximação com o mercado brasileiro. Plataformas de pesquisa acadêmica, catálogos qualificados nas áreas de saúde, economia, ciências sociais, história, e a qualidade crescente do produto editorial chinês, com o baixo custo gráfico, podem ser de grande importância para o Brasil. Ao mesmo tempo, o Brasil pode exportar conteúdos para um povo que deseja compreender e atingir o mercado lusófono (que atinge quase meio bilhão de pessoas)”, ressalta.

Conquistas 

Como resultado positivo da sua participação da conferência, Paula assinou dois contratos com uma editora universitária para produzir duas traduções e realizou uma Cerimônia de Assinatura televisionada para a realização de um acordo – que ainda depende do apoio do governo chinês para a tradução. “Também recebi dezenas de catálogos e prospectos para a apresentação perante editores e empresários brasileiros e portugueses interessados em firmar negócios com a China”, diz ela, feliz em representar o Brasil no gigante asiático.

Sobre o Brazilian Publishers 

Criado em 2008, o Brazilian Publishers é um projeto setorial de fomento às exportações de conteúdo editorial brasileiro, resultado da parceria entre a Câmara Brasileira do Livro (CBL) e a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil). A iniciativa tem como propósito promover o setor editorial brasileiro no mercado global de maneira orientada e articulada, contribuindo para a profissionalização das editoras.

voltar