Compartilhar

Ignácio de Loyola Brandão é eleito para Academia Brasileira de Letras

Ignácio de Loyola Brandão é eleito para Academia Brasileira de Letras

Autor de mais de 40 livros, Ignácio de Loyola Brandão foi eleito para ocupar a cadeira 11 da Academia Brasileira de Letras (ABL), instituição que visa cultivar e valorizar a língua portuguesa e a literatura brasileira. O autor recebeu 31 votos e foi escolhido por unanimidade.

Vencedor do Prêmio Machado de Assis de 2016 da ABL, Ignácio vai ocupar a cadeira de Hélio Jaguaribe, jurista e sociólogo brasileiro que morreu em setembro do ano passado. O escritor concorreu com Eloi Angelos Ghio D’Aracosia, Placidino Guerrieri Brigagão, José Roberto Guedes de Oliveira, Remilson Soares Candeia, José Itamar Abreu Costa, Marilena Barreiros Salazar, Raquel Naveira, Felisbelo da Silva, Sérgio Caldeira de Araújo, Rodrigo Cabrera Gonzales e Lucas Menezes.

Durante a sua carreira, Loyola publicou obras de diversos gêneros, como romances, contos, infantis e juvenis, entre outros. Suas obras de maior destaque são “Depois do sol” (1965), que apresenta histórias da noite paulistana, “Zero” (1974), que foi publicado na Itália e aborda a repressão e o desejo de liberdade tendo a ditadura militar brasileira como pano de fundo da narrativa e “Não verás país algum” (1981), livro que explora a mesma temática.

Em 2008, Ignácio ganhou o Prêmio Jabuti na categoria “Melhor Livro de Ficção” pela publicação do infantil “O menino que vendia palavras”. A obra conta a história de um menino que vendia o significado das palavras para as outras crianças e descobre a importância das palavras na comunicação. Organizado pela Câmara Brasileira do Livro, o Prêmio Jabuti é um dos maiores reconhecimentos do mercado editorial brasileiro.

 

voltar