Compartilhar

Mercado editorial brasileiro ganha espaço no exterior em 2018

Mercado editorial brasileiro ganha espaço no exterior em 2018

Há uma crônica do escritor brasileiro Carlos Drummond de Andrade que reflete sobre tudo o que desejamos quando há, de fato, uma data marcada para recomeçar. Em “Vacina de Ano Novo”, o autor nos apresenta um personagem que conheceu na fila dos correios, que envia uma carta para si mesmo em todos os finais de ano com a frase “Calma, rapaz”. João Brandão acredita que se ele não fizer isso por si mesmo, ninguém fará por ele. “Você já reparou que ninguém deseja calma a ninguém, na época de desejar coisas? Deseja-se prosperidade, paz, amor, mas todos se esquecem de desejar calma para saborear esse tudo de bom. Faço isso como uma vacina”, diz João.

O ano de 2018 foi de renovação para o Brazilian Publishers. Com o objetivo de internacionalizar o conteúdo editorial brasileiro por meio de uma parceria entre a Câmara Brasileira do Livro (CBL) e a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), realizamos uma série de ações ao longo dos últimos 12 meses que intensificaram a aproximação do mercado editorial estrangeiro para as editoras nacionais que fazem parte do projeto. Até o momento, apuramos o valor de US$ 1,876 milhão em exportações e nos sentimentos satisfeitos em saber que o valor total deverá ser ainda maior, depois que tivermos apurado o valor total das exportações do segundo semestre.

Começamos o ano com a participação de 17 editoras do Brazilian Publishers na Feira do Livro Infantil e Juvenil de Bolonha, a mais importante do mundo para o mercado editorial infantojuvenil. A presença nacional movimentou US$ 400 mil em exportações, número que superou a estimativa inicial de US$ 340 mil. Além de dois matchmakings com profissionais da América Latina e dos Emirados Árabes Unidos, foram realizadas cerca de 360 reuniões com editoras dos mais diversos países.

Em seguida, o Brasil marcou presença na Feira do Livro de Londres alcançando US$ 200 mil em negócios fechados e perspectiva para os 12 meses subsequentes ao evento. Tivemos também a participação do escritor João Carrascoza assim como forte presença brasileira no Excelence Award. Foi um importante passo não apenas para nossos negócios com o mercado de língua inglesa, mas para inserção do País nas principais tendências do mercado editorial global e retomada da presença do Brasil neste evento que é o mais importante do mercado editorial no primeiro semestre.

Na Colômbia,  nove empresas nacionais fizeram parte da delegação brasileira da Feira Internacional do Livro de Bogotá, que também contou com a presença dos autores brasileiros Daniel Munduruku e Raphael Montes. Com o apoio do Brazilian Publishers, foram gerados US$ 297 mil em expectativas de negócios fechados e previsão para os próximos 12 meses.

Daniel também participou da Feira Internacional do Livro de Buenos Aires, que recebeu nove editoras brasileiras e o escritor Julián Fuks. O grupo movimentou US$ 197 mil em negócios fechados e perspectivas para os 12 meses subsequentes ao evento.

Em julho, intensificamos a veiculação de informações em nosso site e redes sociais com o objetivo de promover não só o mercado editorial brasileiro, mas também o País como gerador de conteúdo de Economia Criativa. Esse trabalho consiste na publicação diária de notícias no site do Brazilian Publishers, divulgação da Série Autores Brasileiros, com o perfil de escritores nacionais contemporâneos e o envio de uma newsletter com os maiores destaques do conteúdo.

A 25ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo ocorreu entre os dias 3 e 12 de agosto e teve o Emirado Árabe de Sharjah como convidado de honra por meio de um trabalho realizado pelo Brazilian Publishers desde 2016. Durante o evento, foram lançados mais de 40 livros traduzidos do árabe para o português e diversos debates sobre o mercado editorial global com a presença de profissionais internacionais do setor.

O projeto também organizou a 1ª Jornada Profissional do evento, que contou com a participação de 58 profissionais do mercado editorial, sendo 30 editores internacionais convidados e 28 nacionais apoiados pelo Brazilian Publishers. As reuniões geraram US$ 735.900 mil em negócios fechados e previsão para os próximos 12 meses. Nos aproximamos não só do mercado e da cultura árabe, mas também apresentamos de perto o potencial da literatura brasileira. Foi uma honra para todos nós recebê-los.

Em outubro, levamos 27 empresas para a Feira Internacional do Livro de Frankfurt e três autores brasileiros: Geovani Martins, Bianca Santana e João Paulo Cuenca. Durante o evento, lançamos a edição 2018/2019 do Catálogo de Livros e Direitos Autorais, que apresenta os principais títulos brasileiros disponíveis para o mercado editorial internacional. Foram realizadas mais de 500 reuniões entre profissionais do mercado editorial que geraram US$ 700 mil em expectativas de negócios fechados e previsão para os próximos 12 meses.

Logo em seguida, pudemos reencontrar os nossos amigos em Sharjah. A Feira do Livro de Sharjah ocorreu de 31 de outubro a 10 de novembro e contou com o lançamento de três obras brasileiras em árabe: “Brisa na Janela” (Brisa at the Window) (2016), “A Cidade dos Carregadores de Pedras” (The City of the Stone Carriers) (2012) and “Na Janela do Trem” (In the Window of the Train)(2013). A negociação dos direitos aconteceu durante o matchmaking da Feira do Livro Infantil e Juvenil de Bolonha entre a editora Cortez e Alhudhuduae Publishing & Translation. Ao todo, a delegação brasileira gerou US$ 136 mil em negócios fechados e expectativa para os próximos 12 meses em Sharjah.

Nesse meio tempo, o mercado editorial no Brasil estava prestes a conhecer os vencedores do 60º Prêmio Jabuti, incluindo as editoras internacionais finalistas da premiação na categoria “Livro Brasileiro Publicado No Exterior”: Editions Buchet/Chastel, Kafka Kitap, Restless Books, Penguin Books USA, Tilbury House Editores, Anacaona Éditions e Éditions Sarbacane. A premiação é o maior e mais expressivo reconhecimento do mercado editorial brasileiro e contou com a presença internacional de Christopher Richards, editor da Penguin Books USA.

Fechamos 2018 com a participação brasileira na Feira Internacional do Livro de Guadalajara, que teve a presença de 15 editoras brasileiras e 12 autores nacionais no projeto Destinação Brasil que contou com o apoio do Ministério das Relações Exteriores. As reuniões que foram realizadas geraram US$ 450 mil em negócios fechados e expectativa para os próximos 12 meses, um aumento de US$ 52 mil em comparação ao ano passado.

Todos esses resultados positivos não são apenas uma consequência dos esforços e investimentos do Brazilian Publishers, mas também do talento de todos os profissionais do mercado literário nacional e de nossos escritores. Juntos, criamos pontes para que o mercado internacional tenha mais acesso ao nosso conteúdo e 2018 nos mostrou que isso já está acontecendo.

O dia 31 de dezembro é a data marcada para recomeçar. No final de um ano tão desafiador como esse, desejamos que a literatura brasileira continue alcançando leitores estrangeiros e não mediremos esforços para alcançar esse objetivo. Todo mundo tem um pouco do Brasil dentro de si, e as nossas palavras e histórias são capazes de mostrar isso. O personagem de Drummond sempre deseja calma a si mesmo. Já nós, equipe do Brazilian Publishers, desejamos um bom livro brasileiro. Afinal, o mundo merece ler o Brasil.

Sobre o Brazilian Publishers

Criado em 2008, o Brazilian Publishers é um projeto setorial de fomento às exportações de conteúdo editorial brasileiro, resultado da parceria entre a Câmara Brasileira do Livro (CBL) e a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil). A iniciativa tem como propósito promover o setor editorial brasileiro no mercado global de maneira orientada e articulada, contribuindo para a profissionalização das editoras.

voltar