Após publicar três títulos em árabe, Editora Cortez participa de Feira Internacional do Livro de Sharjah

22/10/2018

A Feira Internacional do Livro de Sharjah acontece entre os dias 31 de outubro e 10 de novembro e conta com a presença de oito editoras brasileiras. Entre elas, a Cortez Editora, que possui 1500 títulos em seu catálogo ativo e já publicou em países como China, Geórgia, Espanha, Portugal, entre outros. Durante a última edição da feira, a empresa vendeu os direitos dos livros “Brisa na Janela” (2016), “A Cidade dos Carregadores de Pedras” (2012) e “Na Janela do Trem” (2013). As três obras são do gênero infantil e foram publicadas nos Emirados Árabes Unidos pela editora AlHudhud Publishing & Translation em 2018.

“Em 2017, eu participei de 30 reuniões com editores árabes para conhecer um pouco mais da produção editorial deles e os resultados foram muito bons. Os Emirados promovem um trabalho muito interessante de promoção da literatura e as minhas expectativas para a edição desse ano são boas. Serão dois dias de muito trabalho, com muitas reuniões e muito aprendizado”, conta Erivan Gomes, assessor internacional da Cortez Editora, que marca presença no evento com o apoio do Brazilian Publishers –  projeto de internacionalização de conteúdo editorial brasileiro realizado por meio de uma parceria entre a Câmara Brasileira do Livro (CBL) e a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil).

Escrito e ilustrado por Lúcia Hiratsuka, “Na Janela do Trem” (2013) aborda as paisagens que se transformam internamente e externamente durante a aventura de uma viagem. “Brisa na Janela” (2016) conta a história de Brisa e seu avô, que acreditam que o vento pode cochichar segredos em nossos ouvidos. Juntos, eles descobrem coisas fascinantes através da janela de casa. A obra foi produzida pela autora e ilustradora Elma.

“A Cidade dos Carregadores de Pedras” (2012) tem autoria de Sandra Branco e nos apresenta o personagem Pedrinho, que sempre acreditou que todos deveriam carregar as próprias pedras e a dos outros. Ao encontrar uma menina que não carregava nenhuma, o menino começa a se questionar sobre a necessidade de levar uma vida cheia de culpa e medo, sem refletir sobre atitudes tristes e rotineiras que arrastamos durantes várias gerações.

Internacionalização

Outros títulos da Cortez Editora estão sendo lançados em diferentes países. O infantil “Descobrindo a arqueologia – o que os mortos podem nos contar sobre a vida?” (2014) será publicado na China ainda este ano e traz a narrativa de um avô que é arqueólogo e seus dois netos. Após perderem um jabuti de estimação, as crianças buscam respostas para o acontecimento nas histórias de antigos povos e o modo como eles lidavam com o luto de seus entes queridos. A obra foi produzida por Cecilia Petronilho, Leka e Luis Pezo Lanfranco.

Produzido por Alexandre De Castro Gomes e Cris Alhadeff, “O Livro que Lê Gente” (2017) foi lançado recentemente na Espanha e conta a história de um livro que é colocado no alto de uma estante e longe dos leitores. Com isso, o livro acaba fazendo amizade com outros livros e, juntos, começam a observar os frequentadores das bibliotecas e desvendar suas histórias.

Com autoria de Andre Neves, “Mel na Boca” (2014) será divulgado em Portugal no final do ano e conta a história de Tino, seu avô e um passarinho de estimação. A criança não entende por que o avô se preocupa tanto com o pássaro e resolve tomar uma atitude. Nessa relação, os dois aprendem muito sobre amor e liberdade.

Feira Internacional do Livro de Sharjah

A Feira Internacional do Livro de Sharjah é a terceira maior mostra de livros do mundo. O evento é realizado há 36 anos por Sua Alteza Sheikh Dr. Sultan bin Muhammad Al Qasimi, membro do Conselho Supremo e Governante de Sharjah, terceiro maior emirado dos Emirados Árabes Unidos. Além disso, o país foi reconhecido pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) como Capital Mundial do livro de 2019.

Recentemente o Emirado de Sharjah foi convidado de honra da 25ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo e lançou 40 obras árabes traduzidas para o português. Além disso, os editores de Sharjah participaram da 1ª Jornada Profissional da Bienal do Livro, que contou com reuniões de negócios entre 58 profissionais do mercado editorial nacional e internacionais. O evento de matchmaking gerou US$ 735.900 mil em expectativas de negócios fechados e previsão para os próximos 12 meses.

Para saber mais sobre a participação brasileira, clique aqui.

Sobre o Brazilian Publishers

Criado em 2008, o Brazilian Publishers é um projeto setorial de fomento às exportações de conteúdo editorial brasileiro, resultado da parceria entre a Câmara Brasileira do Livro (CBL) e a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil). A iniciativa tem como propósito promover o setor editorial brasileiro no mercado global de maneira orientada e articulada, contribuindo para a profissionalização das editoras.