Instituto Guimarães Rosa monta sede em cinco cidades estrangeiras

30/05/2019

Batizado de Guimarães Rosa, o instituto criado pelo Itamaraty terá unidades em Nova Iorque, Londres, Tel Aviv, Luanda e Lima, mas ainda sem data de início para as atividades. A ideia dos centros é promover a cultura do Brasil no exterior, além de ensinar a língua portuguesa em sua vertente brasileira, com o objetivo de tornar o país uma referência às outras nações.

O Brasil já possui 24 centros culturais em outros países, que aplicam o Celpe-Bras (certificado de proficiência em língua portuguesa) e a ideia do ministério é utilizá-los para que o instituto tenha autonomia financeira através da renda de cursos. O projeto foi inspirado em bem-sucedidas experiências, como a Aliança Francesa, da França, e o Goethe, da Alemanha.

Guimarães Rosa foi um dos principais escritores do século 20. O mineiro, graduado em Medicina, exerceu a profissão até prestar concurso para o Ministério das Relações Exteriores. Quando trabalhou no consulado brasileiro em Hamburgo, na Alemanha, ajudou muitos judeus a fugirem para o Brasil, devido a perseguição nazista. O escritor morreu em 1967, no Rio de Janeiro, apenas três dias após entrar para a Academia Brasileira de Letras.