Poeta Mailson Furtado vence Prêmio Jabuti com publicação independente

12/11/2018

O mês de novembro de 2015 foi um período intenso na vida do poeta Mailson Furtado. Durante 20 dias, o escritor se dedicou à produção do livro “À Cidade”, sem imaginar que três anos depois o esforço criativo lhe renderia o maior reconhecimento do mercado editorial brasileiro: o Prêmio Jabuti nas categorias “Poesias” e “Livro do Ano”. Além da estatueta, o autor levou para casa uma gratificação no valor de R$ 100 mil. Organizado pela Câmara Brasileira do Livro (CBL) há 60 edições, a premiação contempla os melhores títulos publicados a cada ano.

“À Cidade” (2017) é o quarto livro do autor e apresenta a visão de uma pequena cidade do sertão e suas mudanças acompanhadas pelo caminhar do Rio Acaraú, localizado na Zona Norte do Ceará. No decorrer das 60 páginas do poema, a cidade se constrói, se destrói, se remonta e ganha inúmeras significações. A obra intercala elementos geográficos históricos, políticos, folcloristas, entre outros.  “A poesia nasceu de uma forma muito visceral e foi uma experiência diferente de tudo o que eu já senti na vida. Até hoje eu nunca senti nada parecido”, contou o autor.

De acordo com Mailson, sua inspiração nasceu após ler a obra “Romance da Pedra do Reino”, do escritor Ariano Suassuna. “O livro traz uma questão muito forte da geografia pontual do sertão paraibano e pernambucano. Poucas semanas depois, eu visitei essa região e vivi algo único, como se eu já conhecesse o local apenas por ter lido a obra. Voltei para casa com o objetivo de gerar essa mesma sensação em quem visitasse a minha cidade. Quando a pessoa fosse para a Ponte do Rio dos Macacos, ela vivesse um sentimento de já conhecer esse local simplesmente por ter lido uma obra literária”, explicou o poeta.

Após finalizar a obra, Mailson apresentou seu livro para diversos amigos. Entre eles, seu grupo de teatro e o “Grupo Literário Pescaria”, um projeto de discussão de poesia, filosofia e outros temas artísticos. Em 2017, o autor imprimiu 300 exemplares e distribuiu para jornalistas, escritores e críticos.

O poeta mora em Varjota, uma pequena cidade localizada no Ceará com pouco mais de 18 mil habitantes. Ao subir ao palco para receber o prêmio, Mailson fez questão de se lembrar dela: “Este é um livro todo feito à mão, até o desenho da capa é meu. É uma obra que nasceu sobre o meu lugar no mundo e esse Jabuti está na minha mão por causa dele”, discursou.

Durante a sua carreira, Maílson publicou outros livros de poesia, como “Sortimento” (2012) e “Versos Pingados” (2014); e a coletânea de prosas “Conto a Conto” (2013).

Conheça as obras vencedoras nas outras categorias aqui.