Série Autores Brasileiros: Rubem Alves

17/09/2021

No dia 15 de setembro de 1933, nascia Rubem Alves, em Minas Gerais. No decorrer de sua vida, ele se tornou psicanalista, educador, teólogo, pastor e escritor. Suas obras refletem esses múltiplos conhecimentos: em “Ao professor, com carinho”, Rubem fala sobre o afeto no ato de educar; em “A grande arte de ser feliz”, ele aproveita as dúvidas e vidas de seus leitores para dialogar com eles. É por sua capacidade de condensar tanto conhecimento que ele é um dos grandes nomes da literatura brasileira, e o autor da semana da série Autores Brasileiros, do Brazilian Publishers — programa de internacionalização de conteúdo editorial brasileiro realizado por meio de parceria entre a Câmara Brasileira do Livro (CBL) e a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil).

O papel da religião na obra de Rubem Alves não é pequeno: entre 1953 e 1957, estudou teologia em um Seminário Presbiteriano. Em 1958, se tornou pastor, e seis anos depois obteve o título de mestre em teologia pela Union Theological Seminary, em Nova Iorque. Nos anos seguintes, lecionou e publicou diversos livros sobre religião, inclusive em outros idiomas: cerca de 160 obras foram traduzidas para o inglês, francês, italiano, espanhol, alemão e romeno.

Durante o regime militar brasileiro, Rubem foi acusado comportamento subversivo: a perseguição levou o escritor, sua esposa e seus filhos a se mudarem para os Estados Unidos. Foi no país onde Rubem escreveu sua tese de doutorado na Princeton Theological Seminary, intitulada “Towards a Theology of Liberation”, uma obra que defendia o princípio da teologia da libertação.

Mas foi nos anos 80, quando se aventurou pela psicanálise, que sua formação eclética ficou ainda mais evidente. Além da edição brasileira de sua tese, intitulada agora “Da Esperança” e publicada em 1987, depois do fim da ditadura militar, Rubem também entrou na Sociedade Paulista de Psicanálise, e escreveu em revistas científicas sobre comportamento e psicologia.

Rubem assinou obras seminais para muitos campos, como “O que é a religião?” (filosofia e religião),  “Variações sobre a vida e a morte” (ensaio sobre teologia), “Filosofia da ciência” (os três pela Edições Loyola) e “O patinho que não aprendeu a voar” (livro infantil, pela Paulus). Para ele, o ato de ensinar deve ser um ato de alegria, exercido com paixão e com consideração pela arte. E disse, em “Conversas sobre a educação”, que “aquele que é um verdadeiro professor toma a sério somente as coisas que estão relacionadas com os seus estudantes – inclusive a si mesmo”. Dentre suas influências filosóficas e literárias, estão autores como o brasileiro Paulo Freire, Karl Marx, Frantz Fanon e Friedrich Nietzsche, aplicando as ideias de materialismo dialético à forma como se lidava com a teologia nas relações sociais com o outro.

Alves foi cidadão honorário da cidade de Campinas, em São Paulo, onde recebeu a Medalha Carlos Gomes de contribuição à cultura e também onde faleceu, em 19 de julho de 2014, com 80 anos. Suas ideias de teologia da libertação influenciaram as correntes de teologia negra (nos Estados Unidos e África do Sul), teologia da libertação palestina, teologia Dalit na Índia e teologia Minjung da Coreia do Sul. Dentre seus livros mais populares estão também “Entre a ciência e a sapiência” (pela Edições Loyola) e “Ostra feliz não faz pérola”, que foi publicado pela Planeta e ficou em segundo lugar no prêmio Jabuti na categoria Contos e Crônicas em 2009.

Sobre o Brazilian Publishers

Criado em 2008, o Brazilian Publishers é um projeto setorial de fomento às exportações de conteúdo editorial brasileiro, resultado da parceria entre a Câmara Brasileira do Livro (CBL) e a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil). A iniciativa tem como propósito promover o setor editorial brasileiro no mercado global de maneira orientada e articulada, contribuindo para a profissionalização das editoras.